Dragon Ball é uma das maiores franquias do Japão – se não a maior – e seu sucesso já lhe rendeu 20 filmes produzidos desde 1986. A atual fase da animação, Dragon Ball Super, recebe seu terceiro longa-metragem, trazendo de volta um personagem muito popular, mas que nunca fez parte do cânone. Felizmente, Akira Toriyama finalmente decidiu contar a história de Broly do jeito certo, expandindo seu universo em um dos melhores filmes já produzidos da saga.

Conhecido pelas suas tramas que trazem mais foco nas lutas do que na narrativa, Dragon Ball Super: Broly se diferencia por mudar essa lógica, cobrindo uma parte importante da história dos sayajins. O filme se inicia anos no passado, na época em que Vegeta ainda era um bebê e seu pai era o rei do planeta de mesmo nome. Porém, com receio do poder de Broly ainda bebê, o Rei Vegeta o envia para um planeta inóspito, onde ele passa a ser treinado pelo pai, Paragas, como uma máquina de guerra. Nos dias atuais, Paragas retorna com Broly para se vingar de Vegeta.

Aqueles que não assistiram aos últimos filmes ou a série Dragon Ball Super podem ficar um pouco confusos com a trama, que segue os acontecimentos do Torneio do Poder. Mesmo que muitos conceitos sejam explicados no longa e a montagem ajude de forma didática, temos muitos personagens que não são tão conhecidos pelo grande público, assim como elementos introduzidos nessas outras produções.

Porém, os fãs da franquia certamente vão ficar muito satisfeitos com o resultado. O longa conta não apenas com easter-eggs, como também detalhes e fan services que os mais antigos vão reconhecer. Entre eles temos o Scouter, aparelho usado pelo Exército de Freeza para medir o poder de luta do adversário. Assim como Oozaru, o macaco gigante que os sayajins se transformam ao olharem para a lua cheia. Até mesmo personagens clássicos, como Bardock, Raditz e Nappa fazem pequenas participações. Inclusive, a passagem de tempo conta com alguns momentos marcantes da franquia, desde Dragon Ball.

Como é a primeira vez que Broly está sendo introduzido ao cânone, havia uma preocupação de como isso seria feito, mas é possível perceber que Toriyama realmente sabe o que está fazendo. O personagem, que antes era apenas conhecido como um sayajin descontrolado e extremamente forte, mantém essas características, mas também ganha uma dose de humanidade trazendo novas camadas, tornando-o mais interessante e até mesmo carismático.

Como não poderia ser diferente, Goku e Vegeta têm bastante destaque aqui, trazendo suas personalidades praticamente opostas e criando dinâmicas muito divertidas. Eles ainda são responsáveis pela introdução de mais um personagem ao cânone, que com certeza vai deixar todos os fãs muito felizes. Quem também recebe destaque considerável é Freeza, que vem ganhando popularidade desde O Retorno de Freeza (2015) e após suas ações em Dragon Ball Super.

Também vale destacar a introdução de dois novos personagens à franquia, Cheelai e Lemo, que fazem parte do exército de Freeza, mas não são necessariamente os vilões. Eles são os responsáveis por explorar o lado humano de Broly e têm papel fundamental no filme.

Se a primeira metade de Dragon Ball Super: Broly é focado na história, a segunda parte conta com uma das lutas mais intensas e impressionantes de toda franquia. O estúdio Toei Animation produziu confrontos com grande impacto visual e uma animação fluida que vale a pena ser assistida nos cinemas. Apesar de ser uma sequência muito extensa, o ritmo continua constante e a qualidade nunca cai. Pelo contrário, se torna cada vez mais empolgante. Se Goku procurava um oponente à sua altura, ele finalmente encontrou. E o filme faz um excelente trabalho em mostrar o poder de luta de Broly.

Outro elogio que é preciso ser feito está no trabalho de dublagem do estúdio UniDub. O diretor Wendel Bezerra – que também interpreta Goku – mostra que realmente conhece a franquia, acertando na escolha das vozes, entre elas Dado Monteiro como Broly. Também retorna todo o elenco da série animada, o que garante o fator nostalgia e a familiaridade dos fãs, que faz toda diferença.

Dragon Ball Super: Broly é um filme importantíssimo para o anime por expandir o universo da franquia. Agora, elementos queridos pelos fãs foram introduzidos ao cânone de uma maneira que apenas o criador do mangá original, Akira Toriyama, seria capaz de fazer. Possivelmente, estes são apenas os primeiros passos de Broly em Dragon Ball Super, que deve ser aproveitado no retorno da série regular.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui