Você sabia que os glóbulos vermelhos são responsáveis pelo transporte de oxigênio no sangue? E que os glóbulos brancos funcionam como um sistema de defesa do organismo? É claro que aprendemos isso na escola, mas existe uma forma mais interessante que não seja estudando: assistindo Hataraku Saibou.

Um dos animes lançados na temporada de julho e que faz parte da nossa lista entre os mais bizarros, esta animação segue a proposta de ensinar biologia de uma maneira muito mais divertida do que aprendemos nas aulas. Para isso ela utiliza diversos elementos de shonens, além da habitual linguagem das animações japonesas.

Caso você não saiba o que é um shonen, são animes voltados para o público adolescente, tendo como principais representantes Dragon Ball, Naruto, One Piece, entre outros. A ideia de Hataraku Saibou é justamente transformar todas as células e outros componentes do sangue em personagens que você encontraria em animações desse estilo.

Portanto, o corpo humano é representado como uma cidade e as trilhões de células são seus habitantes. Cada um com uma função específica, eles trabalham para manter tudo em ordem. O mais divertido é que um simples arranhão, por exemplo, pode significar praticamente o fim do mundo para quem vive naquela região do corpo.

Isso foi apenas um arranhão

O anime é protagonizado por uma glóbulo vermelho novata chamada AE3803, que ainda enfrenta dificuldade para fazer as entregas na cidade/corpo humano. Mesmo sendo só uma célula entre muitas, aqui ela ganha personalidade, uma aparência humana e até mesmo gênero. Tudo para criar uma maior identificação com o público.

O mesmo acontece com o glóbulo branco U-1146, que poderia ser perfeitamente o herói de um anime de ação. Para enfrentar os invasores e impedir que a cidade corra perigo, ele precisa lutar com os vilões, resultando em combates que não ficam atrás de outras produções do gênero.

Os personagens não são resumidos apenas aos glóbulos, também incluindo plaquetas, linfócitos, além dos invasores, ou seja, os vilões. As bactérias, por exemplo, contam com um visual estilizado de anime, mas com características ameaçadoras, lembrando monstros ou alienígenas.

Um glóbulo branco enfrentando uma bactéria chamada pneumococo

Apesar disso, o anime consegue ser bem didático, sem deixar o espectador perdido sobre quem é quem e explicando as causas e as soluções para os problemas. Por outro lado, não é possível evitar as narrações e diálogos expositivos, principalmente nos momentos em que somos apresentados aos personagens ou na introdução de conceitos.

Com o decorrer da temporada devemos conhecer mais personagens/células, além de novos inimigos como vírus e fungos. Pela estrutura dos episódios, teremos uma ameaça por semana, com arcos fechados, mas que existem ligações entre eles.

Com todos esses elementos, Hataraku Saibou mostra que é possível aprender alguma coisa assistindo animes, sem esquecer da ação e divertindo seu público. Sem dúvida vale a pena acompanhar uma das surpresas da temporada.

1 COMENTÁRIO

  1. […] Hataraku Saibou é um dos poucos casos de animes onde é possível aprender se divertindo de verdade. Ele acompanha a vida de células em um corpo humano, mas todas contam com muito carisma e diferentes personalidades. A cereja do bolo é o clima de shounen, trazendo lutas empolgantes. Mas o ensino sobre biologia também não fica de lado, tanto que o anime permite que escolas usem suas imagens de graça para fins educacionais. Leia nossas primeiras impressões. […]

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui