Com o fim de 2019, chegou a hora de elegermos as melhores produções do ano. Temos filmes que passaram pelos mais importantes festivais internacionais, produções do Oscar do ano passado e outras que devem ir para a edição deste ano. Confira abaixo nosso TOP 10, assim como as menções honrosas do período.

10. Midsommar

“Com o sucesso de Hereditário, no ano passado, era de se esperar que o próximo filme de Ari Aster fosse ficar no radar de muito cinéfilo. Quando descobriu-se que seria Midsommar, esse terror gravado sob plena luz do dia e estrelado pela promissora Florence Pugh, nossa atenção foi redobrada. É bom poder dizer que toda a expectativa não foi em vão: Midsommar é um filmão. Uma experiência verdadeiramente aterrorizante e imersiva, que dialoga muito sobre o peso do trauma, da repressão e da tradição. O mais impressionante, porém, é o mesmo que pôde ser visto em Hereditário: a encenação de Aster; o minimalismo de seu terror, ao contê-lo nos mais singelos detalhes (seja num tom de voz mais elevado ou num desenho horripilante ao final de um painel). E, é claro, não podemos deixar de destacar o desempenho de Pugh, que certamente é uma das grandes atuações do ano e merecia estar sendo mais lembrada nesta temporada de premiações.” – José Gabriel Fernandes

9. Guerra Fria

“Um dos destaques da última temporada, Guerra Fria só chegou ao Brasil em fevereiro do ano passado, estando elegível, então, para a nossa lista. O último filme de Pawel Pawlikowski apresenta algumas das tendências apreciadas em seu antecessor, o ganhador do Oscar Ida (2014), como a preferência pelo preto e branco e o formato 1.37:1, só que se distingue consideravelmente pela proporção e ambição de sua nova empreitada. Ao contar uma história de amor impossível ao longo de décadas e diferentes regimes políticos e econômicos, apresenta um olhar elegante e cético sobre a felicidade em conjunto e – por que não? – a própria vida. No vai e vem da dupla de protagonistas, é demonstrada uma falta de harmonia desconsertante, mas, ao mesmo tempo, compreensível, uma vez que suas personalidades são tão bem estabelecidas, e sem o uso de artifícios baratos e expositivos, como grandes monólogos excessivamente explicativos. Há uma economia de diálogos que permite uma naturalidade às excelentes performances de Joanna Kulig e Tomasz Kot. Sem mencionar o espetáculo que é a fotografia de Lukasz Zal, ainda mais impressionante do que em Ida, com uma composição visual muito mais rica e uma sintonia com sua trama tão perceptível quanto. É cinema em sua forma mais primordial e aprazível.” – José Gabriel Fernandes

8. Suspiria

“Não sendo um grande fã do original, mas um admirador assíduo de Luca Guadagnino, não sabia muito o que esperar deste remake estrelado por Dakota Johnson e Tilda Swinton. Mas, todas as minhas dúvidas foram atropeladas pela força desse filme, com sua estética carregada e atmosfera densa, capaz de amplificar todo o horror que poderia se imaginar de uma história de bruxas. Todo o contexto político em que se passa aumenta ainda mais o escopo de seu conflito, ainda que confinado a uma escola de dança (além de conferir à obra um grau de ambiguidade que a torna muito mais instigante). E, assim como Aster, Guadagnino consegue extrair o assustador dos elementos mais inesperados, como pessoas furiosas, uma sequência de saltos ou o olhar compenetrado de Swinton – mas, quando tem que pesar a mão no excêntrico, ele também não decepciona, como pode ser notado em seu clímax hipnotizante. Uma das experiências mais alucinantes que puderam ser tidas no cinema em 2019. Dificilmente pode ser descrita por meras palavras, é algo que deve ser testemunhado.” – José Gabriel Fernandes

7. John Wick 3: Parabellum

“Com destaque para as cenas de ação, e um protagonista mortífero, o terceiro John Wick apresenta o que há de melhor em coreografias de luta, muito bem dirigidas por Chad Stahelski. Os vinte minutos iniciais são espetaculares, com uma ação frenética, inventiva e instigante, além de Keanu Reeves dando um show mais uma vez. Há referências divertidas aos filmes anteriores, assim como uma maior exploração do estilo de luta do personagem, usando praticamente tudo ao seu redor de forma letal. O design de produção ostenta as diversas locações, assim como o design de som passa diferentes texturas para as variações de armas. Parabellum leva a ação para um novo nível, assim como torna seu protagonista ainda mais imbatível.” – Gabriel Santos

6. Coringa

“Inicialmente visto como um projeto arriscado, Coringa se tornou um dos melhores filmes de 2019, com presença garantida nas listas com os destaques do ano. A direção de Todd Phillips, claramente influenciada pela filmografia de Martin Scorsese, traz uma Gotham mais realista, suja e o ambiente perfeito para a criação de um dos maiores vilões dos quadrinhos. A atuação de Joaquin Phoenix é um dos pontos altos, construindo o personagem através de pequenas nuances, como sua risada característica, os trejeitos e sua fisicalidade. Ainda vale destacar a fotografia e a trilha sonora, que criam momentos icônicos, assim como o roteiro redondo que traz muitas camadas ao palhaço do crime. Um Coringa que ficará marcado na história e que provavelmente renderá ainda mais prêmios.” – Gabriel Santos

5. Bacurau

“2019 foi um ano agridoce para a indústria cinematográfica brasileira, porque, apesar das novas dificuldades que se apresentaram com o momento político atual, foi também, discutivelmente, uma das melhores safras do cinema nacional, principalmente em termos de presença internacional. Um dos longas responsáveis por isso foi Bacurau, tendo ganho o Prêmio do Júri na última edição do Festival de Cannes. O filme da dupla Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles consegue conter uma ampla gama de sensações conflitantes em aproximadamente duas horas, sendo extremamente doloroso pela forma como aborda problemas frequentes do país, mas encantador e divertido por toda a construção da cidade de Bacurau, com uma população diversificada, bem humorada e – acima de tudo – aguerrida. Com a surpreendente ameaça que a aflige, nos é proporcionada uma escalada de tensão, que descamba para um clímax extremamente catártico, embebido das melhores tendências do cinema de gênero mundial. Tudo isso em favor de uma história tipicamente brasileira (confundindo-se com a história de toda a América Latina, é claro), que constantemente brinca com suas referências, sendo também um deleite para os amantes da sétima arte.” – José Gabriel Fernandes

4. Vingadores: Ultimato

“Joe e Anthony Russo tinham a difícil missão de encerrar 11 anos de história do MCU e amarrar mais de 20 filmes em uma conclusão épica com Vingadores: Ultimato. Apenas o fato deles conseguirem fazer tudo dar certo é um feito incrível, mas eles ainda entregam tudo que os fãs sempre pediram, com piscadas divertidas para as produções anteriores, se tornando um grande fanservice – no bom sentido. Os momentos grandiosos são emocionantes e dignos de serem vistos em uma grande sala de cinema. As mais de três horas do filme passam rápido graças a um ritmo fluido e uma trama sempre em movimento, que ainda conta com momentos mais calmos e humanos. Os personagens estão em sua melhor forma, passando por transformações físicas e psicológicas, além de atuações acima da média, principalmente de Robert Downey Jr. e Scarlett Johansson. Uma das melhores experiências que já tive no cinema.” – Gabriel Santos

3. Nós

“Em 2017, Jordan Peele dirigiu o excelente Corra!, impressionando com um terror que também apresenta críticas sociais de uma forma muito inteligente. Nós é uma evolução do cinema de Peele, com uma trama ainda mais complexa e cheia de reviravoltas. Se Daniel Kaluuya brilhou no seu filme anterior, agora foi a vez de Lupita Nyong’o, com uma atuação inquietantemente assustadora. Há um senso de perigo constante, impedindo o espectador de tirar os olhos da tela. Ainda vale destacar a iconografia repleta de simbolismos, que gera diversas interpretações. É um longa que fica na sua cabeça depois de muito tempo e nos faz refletir, se destacando entre as produções do gênero.” – Gabriel Santos

2. Homem-Aranha: No Aranhaverso

“Lançado nos EUA no final de 2018, Homem-Aranha: No Aranhaverso chegou ao Brasil no início de 2019 fazendo muito barulho. Todos os prêmios que ganhou são muito merecidos, pois o trabalho da animação é totalmente fora da caixinha, com um visual estilizado, sempre brincando com a linguagem das histórias em quadrinhos. É como se estivéssemos assistindo a uma HQ em movimento. O roteiro também se destaca, levando para as telonas uma narrativa que sempre queríamos ver, explorando o multiverso. Tudo é feito de forma divertida e engenhosa e com personagens muito carismáticos. Uma verdadeira homenagem ao personagem e, certamente, um marco para as animações.” – Gabriel Santos

1. Parasita

“Sim, dava para esperar por essa. Afinal, quantos outros filmes de 2019 são tão surpreendentes, socialmente relevantes, politicamente sensíveis e ressonantes quanto Parasita? Além do mais, é uma verdadeira aula de cinema de Bong Joon-ho, com o autor sul-coreano no ápice de sua criatividade e controle sobre a mise en scène. É uma grande mescla de gêneros, sentimentos e personagens completamente diferentes, que ganha harmonia e sentido sob a ótica do diretor. E o elenco é um show à parte, com cada integrante empenhado num papel mais desafiador que o outro, mas sem prejudicar o equilíbrio entre os protagonismos – todos têm um momento para brilhar. Merece um lugar de destaque em qualquer lista, e, agora, só podemos esperar que faça uma limpa no Oscar, como tem feito ao longo da temporada de premiações.” – José Gabriel Fernandes

Menções Honrosas:

Listas individuais:

Gabriel Santos:

1. Vingadores: Ultimato
2. Coringa
3. Homem-Aranha: No Aranhaverso
4. Alita: Anjo de Combate
5. Parasita
6. Nós
7. Bacurau
8. História de um Casamento
9. Creed 2
10. Klaus

Menções Honrosas:

11. John Wick 3: Parabellum
12. Rocketman
13. Midsommar
14. Shazam!
15. Crime Sem Saída

José Gabriel Fernandes:

1. Suspiria
2. Guerra Fria
3. Parasita
4. Fé Corrompida
5. John Wick 3: Parabellum
6. Nós
7. Midsommar
8. Bacurau
9. Homem-Aranha: No Aranhaverso
10. Homem-Aranha: Longe de Casa

Menções Honrosas:

11. Ad Astra – Rumo às Estrelas
12. Vingadores: Ultimato
13. Coringa
14. Pássaros de Verão
15. Entre Facas e Segredos / Fora de Série

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui