Para quem curte um humor nonsense, o principal representante deste subgênero na temporada de abril de 2020 é Gal to Kyouryuu. A série adapta o mangá de Moriko Mori, publicado desde 2018 pela Kodansha, e o projeto reuniu a melhor equipe para isso. A direção e a supervisão de roteiros ficou com Jun Aoki, conhecido por Pop Team Epic, o anime mais bizarro de 2018.

A história gira em torno de uma gal (ou “gyaru”) chamada Kaede, que divide apartamento com um dinossauro. Sim, a trama é realmente um pouco aleatória, e isso é totalmente proposital. Basicamente, a cada episódio temos histórias curtas sobre a convivência dos dois protagonistas, que são divididas em diferentes formatos, incluindo animação tradicional, stop-motion, live-action e até jogos interativos. Esses “quadros” possuem um formato semelhante ao de Pop Team Epic e deixam o ritmo bem dinâmico, fugindo da monotonia.

As conexões não param por aí, já que o estilo da animação também conta com a mesma inspiração. Inclusive, os estúdios responsáveis são Space Neko Company e Kamikaze Douga (o mesmo de Pop Team Epic). Apesar das semelhanças, Gal to Kyouryuu conta com identidade própria e com certa popularidade no Japão. A questão é que o humor certamente não é para todo mundo e foi pensado para o público local.

Neste primeiro episódio, acompanhamos como os dois personagens se conheceram, mas as histórias funcionam de forma independente, através de um humor situacional. De um lado, temos uma patricinha que não liga para o fato de que uma criatura pré-histórica está morando com ela, tratando-o como um animal de estimação. Do outro, temos o tal dinossauro, que age de forma catunesca, incluindo sua expressão e movimentação, sempre apelando para o exagero. Uma das coisas mais divertidas é a reação das pessoas ao verem a dupla agindo normalmente, além da cara do dinossauro, que sempre parece estar chocado.

Talvez a parte menos interessante dessa estreia seja a seção em live-action, onde Kaede é substituída por um idoso e o dinossauro é uma pessoa usando uma fantasia, como um mascote. O problema é que repetem a mesma dinâmica – e piadas – que vimos na seção animada, tornando-se muito redundante e com poucas novidades.

A trilha sonora também é destaque, principalmente pelo envolvimento da King Records. Com isso, além dos temas de abertura e encerramento, podemos esperar, nos próximos episódios, mais quadros e números musicais. Se em Pop Team Epic sempre havia referências à cultura pop, aqui podem ser notados efeitos sonoros diversos, incluindo alguns inspirados na franquia Star Wars. Também estão presentes memes e piadas que surgem na internet, por meio de fóruns e redes sociais.

Com um gancho propositalmente forçado para o próximo episódio, a estreia de Gal to Kyouryuu deve dividir o público. Ele já foi pensado de forma que não agradaria a todos, mas ainda pode enfrentar o problema de muitos não entenderem sua proposta, que é parecer algo descompromissado e pouco elaborado, quase como um fanmade. Resta a dúvida se ele vai repetir os passos de Pop Team Epic ou não.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui